/
/

domingo, 3 de abril de 2011

*PASTORAL - FÉ, RAZÃO E SENTIMENTOS (PR. SANDRO REIS)

           A Pastoral de hoje traz uma transcrição extraída do livro "Pentecostal de Coração e Mente - Um chamado ao dom divino do intelecto", título original: "Full Gospel, fractured minds?", obra de Rick Nañez, Editora Vida - 2007,  realizada pelo Pr. Sandro Reis, no Boletim Dominical, Ano V - Nº 77, datado em 20 de Junho de 2010. O Pr. Sandro serve ao Senhor na Igreja Batista Do Flamboyant, em Campos dos Goytacazes/RJ.


 Fé, Razão e Sentimentos


"Devemos empregar o melhor de nossa razão para conhecer quais são as verdadeiras Escrituras canônicas, para expandir o texto para traduzi-lo verdadeiramente, para agregar inferências exatas e justas das declarações das Escrituras, e então aplicar tudo isso em questões de doutrina e adoração."
Richard Baxter - Líder puritano 


          Em nossa revolta contra a razão, às vezes nos perdemos no campo da fé e da emoção e fracassamos em nos preparar para defender essa fé.
          Embora a razão, a lógica e o pensamento crítico não sejam nossas únicas ferramentas, sem eles somos inclinados a interpretar erroneamente a palavra de Deus, possuindo zelo sem conhecimento e utilizando de modo equivocado os dons celestiais.
          É de vital importância crermos que o Espírito Santo ainda fala ao corpo de Cristo e que o direcionamento pessoal é um dos métodos pelo qual Deus dirige seus filhos. Há algo de errado conosco se não nos alegrarmos diante do pensamento de sermos conduzidos pelo Espírito de Deus.
          Entretanto, há também algo de errado se rejeitarmos nossa razão, confundindo cada firme opinião interna com a voz de Deus, fundamentando assim nosso sistema de crença em fenômenos sobrenaturais ininterruptos (reais ou imaginários). Certamente devemos estar abertos a acontecimentos extraordinários, mas devemos acreditar apenas no que é claramente ensinado nas Escrituras.
          Teste cada espírito, avalie todas as coisas, e, evite todas as formas de ser diferente, porque na maioria das vezes isso é mera vaidade.
          Precisamos ser cuidadosos para não seguir toda "unção interior" (especialmente quando essa é egoísta), não nos inclinarmos a buscar sinais e maravilhas e não nos desvencilharmos da lógica e da razão como se elas fossem inimigas do sobrenatural.
          Os dois grandes extremos que não podemos aceitar são: por um lado, o ato de apagar o Espírito e por outro lado, se entregar à mediocridade de viver somente nas esferas do sensacionalismo e do emocionismo.
          Devemos conhecer nossas próprias fraquezas e tendências a fim de trazer equilíbrio para nossa vida espiritual. Uma pessoa nunca conseguirá descobrir tal equilíbrio sem estar aberto a outras visões e sem honestidade diante dos próprios preconceitos.
          Há muito trabalho a ser feito a fim de dar assistência adequada aos seguidores do Evangelho, para que tenham uma vida plenamente consciente e correta em uma sociedade tão enganadora e confusa.
        Um dos primeiros passos para se atingir esse objetivo é ajudar nosso povo a perceber que razão e fé não são inimigas mortais, ensinando-os também a limitar suas convicções doutrinárias ao campo dos ensinamentos bíblicos explícitos.

Rick Nãnez é pastor assembleiano (EUA) e missionário no Equador.


Nenhum comentário:

Postar um comentário